Proudly supported by Wright Law & Justice

Featured Post

Kepolisian Indonesia menahan delapan dari kematian mahasiswa Timor Leste di Jogjakarta

Polisi Indonesia telah menangkap delapan orang yang dicurigai melakukan pembunuhan terhadap seorang pelajar Timor Leste, Joao Bosco di Pro...

06 August 2008

East Timor Budget Amendment Law Presidential Statement

This is an automated unofficial translation into Engish. The original Portuguese text follows.


Presidency of the Republic
The President
Announcement

August 5, 2008


I have received from the National Parliament for enactment, the Law Amending Budget (AB). It is a great budget to spend by the end of the year 2008.

The Government asks now more 440 million dollars, totaling the State General Budget (OGE) for 2008, around 800 million, an increase of 122% of OGE. The initial budget of 2008 provided spending of about 350 million dollars.

With the amended budget, the government wants, therefore, spend - in 5 months - until December, twice the amount of the budget originally planned to spend in 12 months.

This large increase - suddenly - the expenditure of the state naturally caused some surprise and some concern, not only in East Timor, but also with development partners .

I have heard and registered concern and questions about this budget from civil society and international organizations, including the World Bank and International Monetary Fund, among others.

The food crisis and economic uncertainty at the international level requires of us, more than ever, great rigour and restraint in the accounts of the country.

For East Timor, nearly 800 million dollars is a lot of money.

The international auditors, in particular the Consultative Council of the National Parliament of the Petroleum Fund for East Timor, consider that the sustainable management of resources of that fund, as required by law of the Petroleum Fund, advises to use only 396 million U.S. dollars this year. But the budget proposes withdraw almost 800 million.

It is a very big difference. We need to know where the country will spend so much money: will spend on what - and how this expenditure benefits the people and country.

Some works and investments may now, cost much money, but generate wealth in the future.

For example, construction of roads and bridges, investment in telecommunications, irrigation works, to increase our agriculture, among other economic investments, costs are high but develop the country and create employment.

For such investments, it is worth taking more money from the Petroleum Fund Oil, because spend it more now, but the investment serves to increase the wealth in the future.

But the amending budget that I received does not address that.

Instead, the budget provides for spending about 800 million dollars, but only 15 percent are for Capital Development.

It means that for every dollar of the budget, the government wants to spend 85 cents in costs of day-to-day and 15 percent in investment for the future.

Moreover, the budget does not clarify any questions that I raised about the current expenditure - that is, of such day-to-day expenditure.

For example, the government created an Economic Stabilisation Fund (FEE) and wants to endow it with 240 million dollars.

I understand that the intervention measures are justified by the increase in prices of food and regulation of the prices of other basic products.

Questioned yesterday the Prime Minister, if it would be, perhaps, more appropriate that the money necessary to ensure the supply of food, basic necessities were budgeted in food security?

Also, if the money that the government asked for the intervention in the market for non-food products could not be in the contingency reserve fund of the Government?

There are doubts and concerns that the budget raises that do not have a clear answer.

For example, the General tate Budget for 2008 had a budget of 3 and a half million dollars to travel abroad. The amending budget has increased, now that amount to a total of 6 million.

The travel abroad of ministers are often justified and necessary. The people understand that. I have no doubt about it.

But the concern that I convey is: will it be reasonable and necessary to spend so much?

This amended budget is only for 5 months.

How much will the members of the government travel abroad and how much will every trip use to spend 6 million of dollars a year?

We must know spend the money wisely by the state, especially in times of crisis.

I was in government several years and know that it is not easy to reconcile all requests from several ministers.

I appeal to the Ministry of Finance to set rules and criteria and establish effective priorities. Finance must lead by example and ensure the balance and clarity of the overall budget.

The whole government, in general, I appeal to the probity and restraint.

In times of crisis, the government has a duty plus restraint in spending and rigorous assessment of costs in order to define national priorities in sequence, balanced and fair.

The general budget of the state is the key instrument for achieving social justice and economic imbalances.

Hence, the general budget of the State must be, above all, a strict document, a clear document, which leaves no doubt to anyone - neither the people nor the international community, which has always supported us.

I have a duty to contribute in the exercise of my mandate so that East Timor is a more just society, in which the state look at them equal for rich and poor, helping more, who needs .

Our rule is to help create more justice and more equal opportunities in East Timor and by doing so, improve the lives of the people.

As President of the Republic, I want to help ensure that the accuracy and transparency of accounts of the state does not raise doubts and help to achieve national objectives of more fairness, more social justice, more stability and harmony.

The President of the Republic does not want to make it more difficult to manage the country. I recognize the good will and determination of the government headed by our brother Kay Rala Xanana Gusmão to endeavour to develop our economy with a strong intervention, pro-active, the State.

On the other hand, I have learnt that the Court of Appeal lodged a court action endorsed by Members, based on Article 150 of CRDTL, requiring the Abstract review of the constitutionality of the government's decision to create the Fund for Economic Stability by Decree-Law .

The credibility of the accounts of the state is in everyone's interest. It is in the interest of the government, is in the interest of other organs of sovereignty, and is in the interest of the people.

Meeting yesterday with the Prime Minister, Kai Rala Xanana Gusmão, and members of the government about three hours, in which I was informed and, to some extent, clarified in relation to my doubts and concerns as mentioned.

I have no doubt the most noble intentions of the Prime Minister to do everything in our economy start on the basis of a sustainable project that benefits the poor and marginalized of our society.

However, many doubts and concerns prevail.

As my obligation to review the constitutionality of the rules, as is the National Parliament, will monitor the budget implementation in the remaining five months of this fiscal year.

Consulting with the largest party in Parliament, the Fretilin, and others that wish, as well as prominent personalities of our civil society, on how the Fund for Economic Stability, to be declared constitutional by the Court of Appeals, should be managed .

My preference, but I can not impose, is that the government initiate dialogue with the majority party to create a mechanism for monitoring, management and implementation of the fund.

Moreover, this method should be practiced by governments in all matters of great implications for present and future of our country, such as the fund management of oil and other natural resources, large-scale investments that require implementation in the long term, granting of land for investment purposes, administrative reform, education policy, and others of national significance.

Our country should avoid decision-making affecting the best interests of the country without any result and outcome of consultation, discussion and consensus.

In a word, we must begin to develop a culture of respect for the principle of continuity of the state, regardless of which party is in power.

For all the reasons cited, I decided to wait, first, for the Court of Appeal opinion on the constitutionality of the Economic Stabilisation Fund, and to allow time for the Government to clarify the public Timorese and the international community, the reason for this amending budget .

On return of my trip in China, where I will keep contacts with the President of the People's Republic of China, Hu Jin Tao, and Prime Minister of Australia, Kevin Rudd, and the State Visit of the Philippines, will take a final decision on the promulgation or not Amending Budget.

---

Presidência da República
O Presidente

Comunicado

5 de Agosto de 2008


Recebi do Parlamento Nacional, para promulgação, a Lei do Orçamento Rectificativo (OR). É um orçamento vultuoso para se gastar até ao fim deste ano de 2008.

O Governo pede agora mais 440 milhões de dólares, totalizando assim o Orçamento Geral do Estado (OGE), para 2008, em cerca de 800 milhões, o que significa um aumento de 122% do OGE. O orçamento inicial de 2008 previa gastar cerca de 350 milhões de dólares.

Com o Orçamento Rectificativo, o Governo quer, portanto, gastar – em 5 meses – até Dezembro, o dobro do montante do orçamento inicialmente previsto para gastar em 12 meses.

Este grande aumento – súbito – da despesa do Estado causou naturalmente alguma surpresa e alguma preocupação, não só em Timor-Leste, como também junto dos parceiros de desenvolvimento.
Tenho ouvido preocupação e registado dúvidas sobre este orçamento rectificativo, da sociedade civil e de organizações internacionais, nomeadamente o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, entre outros.

A crise alimentar e a incerteza económica a nível internacional exigem de nós, mais do que nunca, grande rigor e contenção nas contas do país.

Para Timor-Leste, quase 800 milhões de dólares é muito dinheiro.

Os auditores internacionais, em particular o Conselho Consultivo do Parlamento Nacional, do Fundo do Petróleo de Timor-Leste, consideram que a gestão sustentada dos recursos daquele fundo, tal como previsto na lei do Fundo Petrolífero, aconselha a usar só 396 milhões de dólares este ano. Mas o orçamento rectificativo propõe retirar quase 800 milhões.

É uma diferença muito grande. É preciso saber onde é que o país vai gastar tanto dinheiro: vai gastar em quê – e como é que essa despesa beneficia o povo e o país.

Algumas obras e investimentos podem, agora, custar muito dinheiro, mas gerar riqueza no futuro.

Por exemplo, a construção de estradas e pontes, o investimento em telecomunicações, em obras de irrigação, para aumentar a nossa agricultura, entre outros investimentos económicos, são despesas elevadas mas desenvolvem o país e criam emprego.

Para investimentos desse género, vale a pena ir buscar mais dinheiro ao Fundo de Petróleo, porque gasta-se mais agora, mas o investimento serve para aumentar a riqueza no futuro.

Mas o Orçamento Rectificativo que eu recebi não contempla isso.

Pelo contrário, o orçamento rectificativo prevê gastar cerca de 800 milhões de dólares, mas só 15 por cento são para Capital de Desenvolvimento.

Quer dizer que por cada dólar do orçamento rectificativo, o Governo quer gastar 85 cêntimos em despesas do dia-a-dia e 15 por cento em investimento para o futuro.

Por outro lado, o orçamento rectificativo não esclarece todas as dúvidas que me colocaram sobre a própria despesa corrente – quer dizer, as tais despesas do dia-a-dia.

Por exemplo, o governo criou um Fundo de Estabilização Económica (FEE) e quer dotá-lo com 240 milhões de dólares.

Compreendo que se justificam medidas de intervenção perante o aumento dos preços dos alimentos e de regulação dos preços de outros produtos fundamentais.

Questionei ontem o Sr. Primeiro-Ministro, se não seria, talvez, mais adequado que o dinheiro necessário para garantir o fornecimento de alimentos de primeira necessidade estivesse orçamentado na Segurança Alimentar?
Igualmente, se o dinheiro que o Governo pediu para a intervenção no mercado de produtos não-alimentares não poderia estar na própria reserva de Fundo de Contingência do Governo?

Há dúvidas e preocupações que o orçamento rectificativo suscita que não têm uma resposta clara.

Por exemplo, o Orçamento Geral do Estado para 2008 tinha já uma verba de 3 milhões e meio de dólares para viagens ao estrangeiro. O Orçamento Rectificativo aumentou, agora, aquela verba para um total de 6 milhões.

As viagens dos ministros ao estrangeiro são, muitas vezes, justificadas e são necessárias. A população compreende isso. Eu não tenho dúvidas sobre isso.

Mas a preocupação que me transmitem é: será razoável e necessário gastar tanto?

Este Orçamento Rectificativo é para 5 meses apenas.

Quantas viagens vão os membros do governo fazer ao estrangeiro e quanto é que vão usar em cada viagem para gastarem 6 milhões de dólares num ano?

Temos de saber gastar com prudência os dinheiros do Estado, sobretudo em tempos de crise.

Eu estive no governo vários anos e sei que não é fácil conciliar todos os pedidos dos vários ministros.

Apelo ao Ministério das Finanças para que defina regras e critérios eficazes e estabeleça prioridades. Têm de ser as Finanças a dar o exemplo e a velar pelo equilíbrio e a clareza do conjunto do Orçamento.

A todo o governo, em geral, faço um apelo à contenção e ao rigor.

Em tempos de crise, o governo tem um dever acrescido de contenção nos gastos e de rigor na avaliação das despesas, tendo em vista definir as prioridades nacionais de forma sequencial, equilibrada e justa.

O Orçamento Geral do Estado é o instrumento fundamental para realizar a justiça social e corrigir desequilíbrios económicos.

Por isso, o Orçamento Geral do Estado tem de ser, principalmente, um documento rigoroso, um documento claro, que não deixe dúvidas a ninguém – nem ao povo, nem à comunidade internacional, que sempre nos tem apoiado.

Tenho o dever de contribuir no exercício do meu mandato para que Timor-Leste seja uma sociedade mais justa, em que o Estado olhe para todos por igual, para ricos e para pobres, ajudando mais, quem mais precisa.

O nosso Estado existe para ajudar a criar mais justiça e mais igualdade de oportunidades em Timor-Leste e, dessa maneira, melhorar a vida do povo.

Como Presidente da República, quero contribuir para garantir que o rigor e a transparência das contas do Estado não levantem dúvidas e ajudam aos objectivos nacionais de atingir mais equidade, mais justiça social, mais estabilidade e harmonia.
O Presidente da Republica não deseja tornar ainda mais difícil a gestão do país. Reconheço a boa-vontade e a determinação do Governo chefiado pelo nosso irmão Kai
Rala Xanana Gusmão em tudo fazer para desenvolver a nossa economia com uma forte intervenção, pro-activa, do Estado.

Por outro lado, tomei conhecimento de que no Tribunal de Recurso deu entrada uma acção judicial subscrita por deputados, com base no artigo 150º da CRDTL, requerendo a Fiscalização abstracta da constitucionalidade da decisão do Governo em criar o Fundo de Estabilidade Económica por Decreto-Lei.

A credibilidade das contas do Estado é do interesse de todos. É do interesse do Governo, é do interesse dos outros órgãos de soberania, e é do interesse do povo.

Reuni-me ontem com o Primeiro-Ministro, Kai Rala Xanana Gusmão, e membros do Governo cerca de três horas, em que fui informado e, de certa forma, esclarecido em relação às minhas dúvidas e preocupações como referi.

Não tenho a menor dúvida quanto às mais nobres intenções do Primeiro-Ministro em tudo fazer para que a nossa economia arranque com base num projecto sustentável que beneficie os pobres e marginalizados da nossa sociedade.

No entanto, muitas dúvidas e preocupações prevalecem.

Sendo minha obrigação de fiscalizar a constitucionalidade das normas, assim como é do Parlamento Nacional, estarei atento à execução orçamental nos restantes cinco meses deste ano fiscal.
Consultarei com o maior partido com assento no Parlamento, a Fretilin, e outros que o queiram, bem como individualidades destacadas da nossa sociedade civil, sobre a forma como esse Fundo de Estabilidade Económica, a ser declarada constitucional pelo Tribunal de Recursos, deve ser gerido.

A minha preferência, mas que não posso impor, é que o Governo encete dialogo com o partido maioritário para se criar um mecanismo de acompanhamento, gestão e execução desse fundo.

Aliás, este método deveria ser praticado pelos Governos para todas as questões de grande implicações para o presente e o futuro do nosso país, tais como a gestão do fundo de petróleo e de outros recursos naturais, investimentos de larga escala que requerem execução a longo prazo, concessão de terrenos para fins de investimento, reforma administrativa, política educacional, e outros de relevância nacional.

O nosso país deve evitar tomadas de decisões que afectam os superiores interesses do país sem que sejam fruto e resultado de consultas, debate e consenso.

Numa palavra, temos de começar a desenvolver a cultura do respeito ao princípio da continuidade do Estado, independentemente do partido que estiver no poder.

Por todas as razões citadas, decidi aguardar, em primeiro lugar, que o Tribunal de Recursos opine sobre a constitucionalidade do Fundo de Estabilização Económica, assim como dar tempo ao Governo para que esclareça a opinião pública Timorense e a comunidade internacional, da razão deste Orçamento Rectificativo.

De regresso da minha viagem da China, onde manterei contactos com o Presidente da República Popular da China, Hu Jin Tao, e o Primeiro-Ministro da Austrália, Kevin Rudd, e da Visita de Estado às Filipinas, tomarei uma decisão final quanto à promulgação ou não do Orçamento Rectificativo.

Post sponsored by East Timor Women - Raising awareness about the plight of women in East Timor.

No comments: